Aqueles que participaram da organização já sabem: as atividades da SONU duram o ano inteiro. Para muito além dos dias do evento, inúmeros encontros com o intuito de definir temas, produzir guias, treinar regras de procedimento e desenvolver situações de crise - além de incontáveis horas de estudo e preparação - espalham-se pelos meses que antecedem a SONU. 

A ideia de que essa intensa produção acadêmica recebesse maior atenção é bandeira antiga dentro do Secretariado da SONU. Na verdade, inúmeros artigos científicos e trabalhos acadêmicos foram produzidos por organizadores e participantes ao longo dos anos, ainda que a partir de iniciativas individuais. 

Assim, acreditando no potencial do projeto e com o intuito de fortalecer e diversificar cada vez mais as atividades deste, resolvemos avançar a proposta de oficializar a atividade acadêmica que já ocorre naturalmente no decorrer da preparação de nossa estimada simulação, além de fomentar o incremento dessa produção. 

Dessa iniciativa nasceu o SONU ACADÊMICO – construído por e para estudantes -, um espaço permanente de debate e construção de conhecimento acerca de inúmeros temas internacionais. 

Não há temática nem tipo textual (descritivo, argumentativo, expositivo, etc) pré-estabelecidos, todavia os trabalhos devem obrigatoriamente possuir relação com assuntos de relevância internacional , além de prezar pela norma culta da língua portuguesa. 

A produção será veiculada através do sítio eletrônico da SONU e qualquer pessoa ligada ao programa está convidada a submeter textos de não mais que 04 laudas, contando com as referências bibliográficas, devendo necessariamente obedecer às regras da ABNT. Estes serão submetidos à análise de uma Comissão Editorial formada por antigos e atuais organizadores da SONU, apenas com o intuito de assegurar o padrão de qualidade acadêmica almejado pelo projeto. Além disso, a Comissão está trabalhando junto às Coordenações de Atividades Complementares da UFC, e equivalentes em outras unidades, de modo a garantir créditos de Pesquisa para os autores dos trabalhos aprovados. 

As contribuições são inteiramente voluntárias e devem ser enviadas para o e-mail contato@sonu.com.br com o(s) nome(s) e especificações do(s) respectivo(s) autor(es).

Também como atividade do SONU ACADÊMICO, o Secretariado da SONU 2016 torna pública a chamada para a proposição de artigos científicos para a composição da publicação da 1ª edição da Revista SONU. 
Edital: https://goo.gl/HTlNk3
Adititvo:https://goo.gl/2RWFa8

SONU ACADÊMICO #01

No decorrer do último mês, a atenção do mundo voltou-se para uma crescente onda de protestos antiocidentais violentos, que tomaram parte no chamado “Mundo Islâmico”. O estopim dessas manifestações é reputado ao sentimento de revolta "dos muçulmanos" frente a um vídeo amador norte-americano, postado no websítio Youtube, cujo teor é eminentemente anti-islâmico. Mas seria isto assim tão simples? Ou tais manifestações seriam apenas o sintoma de questões de maior monta? [...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #02

Em uma de suas últimas manifestações públicas para a mídia, Eric Hobsbawm, em análise dos eventos estrondosos de 2011, congratulou a perspectiva de ainda ser possível derrubar regimes ditatoriais pela ampla manifestação popular, frisando o papel de uma nova ferramenta revolucionária: as mídias sociais. [...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #11

A história de Uganda reflete a colonização britânica na África. Os primeiros missionários da colônia se aventuraram na atual região do país em 1877 e, dezessete anos depois, em 1894, o reino de Buganda tornou-se protetorado do Reino Unido. A independência ocorreu em 1962 e Uganda tornou-se uma república. Os anos pós-administração estrangeira são marcados por violentos golpes militares. Durante esse período de instabilidade política, o país passou por grande declínio econômico, guerras com as nações vizinhas e grandes violações de direitos humanos. Estima-se que mais de cem mil ugandenses foram assassinados no mandato do déspota Idi Amin Dada [...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #12

O surgimento de uma nova ordem mundial, simbolizada pela queda do muro de Berlim e o fim da Guerra Fria em 1989, apresenta novas perspectivas para compreender o sistema internacional vigente e suscitar uma reflexão sobre a construção e constituição deste mesmo sistema. No entanto, a prevalência do sistema capitalista em detrimento do comunista não representou, totalmente, o fim de uma dinâmica bipolar no sistema internacional. Os resquícios da Guerra Fria representados atualmente pela conflitualidade entre as Coreias do Norte e do Sul indicam que ainda há uma – dentre as várias áreas do globo – capaz de desestabilizar a segurança internacional.

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #13

Na manhã do dia 25 de outubro de 1975, Vladimir Herzog apresenta-se no DOI-CODI São Paulo. Ao final desse mesmo dia, acrescenta-se à história política brasileira uma das mais controversas mortes, dentre tantas ocorridas durante a Ditadura Militar. A vida de Vladimir Herzog, jornalista atuante e respeitado, fora usurpada pela necessidade premente do II Exército de São Paulo de impor seus desvirtuados padrões de inquérito[...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #03

A despeito da boa vontade do simpático Presidente, a situação política do fim de seu atual mandato e as perspectivas sociais, econômicas e políticas que se mostram no horizonte levam a crer que o melhor poderá, de fato, vir, embora seja muito pouco provável que venha de maneira simples e rápida. Isso se dá pelo fato de que, conquanto se sinta revigorado para enfrentar mais quatro anos à frente do País, a maioria dos grandes desafios da próxima gestão de Obama é de problemas antigos e conhecidos, enquanto os novos desafios, por sua vez, se mostram de resolução pouco fácil. [...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #04

Em notícia veiculada no Jornal Diário do Nordeste de 30 de outubro de 2012, o prefeito eleito de Fortaleza, Roberto Cláudio, afirmou que dará prioridade às obras de mobilidade urbana, incluídas as que visam a Copa do Mundo, inclusive as desapropriações relacionadas às intervenções na Via Expressa.No mesmo periódico, no dia seguinte, o secretário municipal da Coordenadoria de Projetos Especiais, Relações Institucionais e Internacionais, Geraldo Accioly, considerou que transferir os moradores da Via Expressa e levá-los para um conjunto habitacional a 20 Km de onde eles moram seria um crime e que esta medida implicará em grande reação das comunidades. Tais pronunciamentos, diametralmente opostos, vindos de pessoas que integram/integrarão a gestão municipal de uma mesma cidade, traz à tona, dentre tantos, o seguinte questionamento: quais mecanismos internacionais resguardam esses moradores, assegurando-lhes o respeito aos seus direitos enquanto seres humanos?

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #05

Dominado durante muito tempo pelo Reino Unido e, posteriormente, por Israel, o povo palestino, no último 29 de novembro, vivenciou um dos dias mais importantes de sua história. Com 138 votos favoráveis, 9 votos contrários e 41 abstenções, a Palestina conquistou, junto à Organização das Nações Unidas, o status de Estado observador. [...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #09

Ainda no século XIX, surgiu a Associated Press, primeira agência do continente americano, criada pelos jornais de Nova York que não queriam enviar repórteres para cobrir a Guerra Civil nos estados do sul. Eles utilizavam os jornalistas dos jornais locais sulistas como seus correspondentes[...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #06

Todos ficaram estupefatos ao ver o vendedor ambulante de frutas e verduras Muhammad Bouazizi incendiar seu próprio corpo em frente ao palácio do Governo Tunisino, por ter sua licença cassada e se ver impossibilitado de exercer sua profissão. A partir desse momento, Bouazizi tornou-se o símbolo da Primavera Árabe, levando grande parte da população a queimar pneus e gritarem palavras de ordem, exigindo empregos e liberdade. A Primavera Árabe mostrou ao restante do mundo que as populações de países como Tunísia, Líbia e Egito também buscavam, da maneira que lhes foi mais apropriada, algo que para os ocidentais é obviamente necessário para o desenvolvimento de um Estado: a Democracia. [...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #07

Em 2012, quando completaram 30 anos do término da Guerra das Malvinas, o governo argentino denunciou a Grã-Bretanha pela crescente militarização das Ilhas Malvinas e, principalmente, pelo envio do navio HMS Dauntless, fortemente equipado com mísseis antiaéreos. Para Jorge Arguello, embaixador da Argentina nos Estados Unidos, esse armamento não visa à proteção a ataques argentinos, mas sim a explorar os recursos naturais das águas do Atlântico Sul. Além disso, o Embaixador alega que haveria o interesse da Inglaterra em projetar sua influência à Antártica.

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #08

Abarcando cada vez mais relevância na geopolítica internacional, a região ártica desponta como uma área de propensa exploração territorial e econômica. Juridicamente igualada ao status de mare liberum, a área é territorialmente regida pela Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 1982, que recentemente completou trinta anos de sua criação[...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #10

A República do Mali é um país localizado na África Ocidental, com população superior a 15 milhões de habitantes. Na era colonial, mais precisamente no fim do século XIX, Mali ficou sob o controle da França, fazendo parte do Sudão Francês. Já em 1960, com o rompimento entre Senegal e Mali, os quais, ainda no ano anterior, haviam se unido para constituir a Federação do Mali, o povo maliano tornou-se uma nação independente[...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #14

As alterações climáticas e os impactos no meio ambiente, problemáticas presentes, sobretudo, nas últimas décadas, influenciam em diferentes aspectos da sociedade, quais sejam, ambientais, políticos, sociais e econômicos. Ademais, sendo inevitável a dependência entre o homem e o meio em que habita, essas catástrofes também são responsáveis pelo deslocamento de milhões de pessoas, caracterizando-se, portanto, a vertente humana das alterações ambientais [...]


Ver artigo

SONU ACADÊMICO #15

Dentre os mais diversos tópicos que o Direito Internacional Humanitário aborda, a defesa e a segurança dos que mantêm a saúde dos feridos, bem como a de edifícios e dos meios para que exista maior eficiência, é um dos mais importantes. Isto reside na questão de que se não houver tratamento médico adequado no campo, soldados (nem tão pouco civis) terão a chances de sobreviver. Dessa forma, o problema está quando não se respeita as Convenções de Genebra.

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #16

Teoria dos Jogos é um ramo da matemática (que se expandiu para economia e política) que estuda as formas como interações estratégicas entre agentes econômicos produzem resultados em relação às preferências (ou utilidades) desses agentes, podendo estes resultados não ter sido planejados ou desejados por nenhum deles. Ou seja, estuda o que acontece quando a melhor (ou pior) decisão para uma pessoa depende de expectativas do que outra ou mais pessoas vão decidir e vice-versa.

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #17

Atualmente o cidadão europeu passa por um momento de perda de garantias. Direitos que antes eram financiados pelo estado agora devem ser patrocinados pelo indivíduo. O corte de gastos atingiu, inclusive, os organismos internacionais, como é o caso da Organização Mundial de Saúde, órgão mantido por repasses obrigatórios dos países membros da ONU, a quem é vinculada, e isso restringe a atuação do órgão no combate a doenças e na efetivação de projetos que visam salvar vidas mundialmente.

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #18

Na Austrália, a título de exemplo, os danos causados pelos crimes de identidade são estimados na ordem de 4 bilhões de dólares anualmente. Diversos fatores, no entanto, dificultam sobremaneira a prevenção contra esse tipo de ação, entre eles: i) o fato de constituírem elementos de outros crimes, o que faz com que não sejam devidamente registrados e quantificados; ii) a falta de definições legais precisas das condutas e iii) a baixa porcentagem desse tipo de crimes que é relatada às autoridades competentes [...]

Ver artigo

SONU ACADÊMICO #19

No decorrer da historia, a tortura é e continua sendo vastamente utilizada. Dos hereges na Santa Inquisição aos suspeitos de terrorismo presos na baia de Guantánamo, as vítimas desse tratamento desumano sofrem com condições que atentam contra a sua dignidade  e integridade física. [...]

Ver artigo