SONU ACADÊMICO #01

No decorrer do último mês, a atenção do mundo voltou-se para uma crescente onda de protestos antiocidentais violentos, que tomaram parte no chamado “Mundo Islâmico”. O estopim dessas manifestações é reputado ao sentimento de revolta "dos muçulmanos" frente a um vídeo amador norte-americano, postado no websítio Youtube, cujo teor é eminentemente anti-islâmico. Mas seria isto assim tão simples? Ou tais manifestações seriam apenas o sintoma de questões de maior monta? [...]



AS MANIFESTAÇÕES ANTI-OCIDENTAIS, O OCIDENTE E A DESINFORMAÇÃO


No decorrer do último mês, a atenção do mundo voltou-se para uma crescente onda de protestos antiocidentais violentos, que tomaram parte no chamado “Mundo Islâmico”. O estopim dessas manifestações é reputado ao sentimento de revolta "dos muçulmanos" frente a um vídeo amador norte-americano, postado no websítio Youtube, cujo teor é eminentemente anti-islâmico. Mas seria isto assim tão simples? Ou tais manifestações seriam apenas o sintoma de questões de maior monta?

Primeiramente, é necessário abordar a equivocada mentalidade dicotômica que domina o discurso de boa parte não só da mídia internacional, como de inúmeros comentadores políticos. Ao afirmar que "os muçulmanos" ou "os árabes" (termos, em absoluto, diferentes)1 estão destruindo lojas e invadindo embaixadas, está-se fazendo uma generalização mais que indevida. Ora, as ações desses manifestantes extremistas e minoritários representam a visão "d'Os Muçulmanos" ou "d'Os Árabes" tanto quanto as opiniões de Nakoula Basseley Nakoula, o suposto realizador do condenável filme amador, – ou mesmo de George W. Bush – representam as nossas, Ocidentais. Esta concepção rasa do “nós” versus “eles”, ainda que não saibamos quem são de fato estes últimos - e o pior, nem procuremos nos informar -, ajuda a fomentar o sentimento de mútua exclusão, caminho que leva inevitavelmente ao medo e ao ódio. Sobre este ponto, vale citar Paulo Daniel Farah (2001, p. 9):


Todos os países muçulmanos e seus principais líderes religiosos condenaram as ações terroristas [sobre os ataques aos Estados Unidos da América em 11 de setembro de 2001]. (...) Apesar disso, o saudita Ussama bin Laden, acusado de orquestrar os ataques, e defensores da confusa e frágil teoria do ‘choque de civilizações’ anunciaram tratar-se de um embate entre o Islã e o Ocidente, como se fosse possível reduzir conceitos tão complexos – e, por isso, temas de divergências – a dois campos excludentes. As tentativas de polarizar o conflito logo renderam resultados. O discurso maniqueísta do presidente George W. Bush, que anunciou uma ‘luta do bem contra o mal’, a aprovação de leis que permitem a detenção de estrangeiros com base em critérios puramente étnicos ou religiosos e as declarações do premiê da Itália, Silvo Berlusconi, sobre a ‘superioridade da civilização ocidental’ serviram de pretexto para ações de xenofobia e intolerância religiosa.


O vírus da desinformação assola tanto o mundo ocidental, como o mundo islâmico,2 donde esta generalização acerca da identidade dos manifestantes, cujos mais violentos pertencem a grupos salafistas extremistas e minoritários, é apenas um exemplo. Da parte dos manifestantes, jornalistas reportaram conversas com  jovens participantes e revelaram que muitos não possuíam motivações políticas, nem sabiam ao certo qual o conteúdo do filme contra o qual estavam protestando - mas tinham certeza de que os EUA e Israel estavam por trás da obra.3

Neste ponto, ficou clara a não diferenciação por parte dos manifestantes (se deliberada ou não, resta a dúvida) entre as ações de um indivíduo de nacionalidade norte-americana e o Estado norte-americano. As palavras de ordem gritadas pelas ruas de Benghazi e Cairo, entre outras, e a absurda violação de Embaixadas norte-americanas, inclusive em países da África como o Sudão, demonstram a desinformação desta parcela da sociedade. O governo norte-americano reagiu acertadamente condenando o conteúdo do filme, além de declarar expressamente o (óbvio) não envolvimento com sua produção. As autoridades diplomáticas norte-americanas no Paquistão chegaram até a adquirir espaço na TV estatal paquistanesa para transmitir vídeos do Presidente Barack Obama e da Secretária de Estado Hillary Rodham Clinton condenando veementemente o filme, bem como a violência dos protestos.4

Os fatos acima enumerados servem para embasar o argumento da desinformação e suas implicações. Entretanto, não podemos negar a existência de outros fatores, que fortemente influenciaram o pano de fundo dos protestos.

É incontestável que a política externa de países ocidentais em relação ao Oriente Médio no passado cultivou a semente da rejeição de parte da população da região vis-à-vis o Ocidente, com destacada relevância a dos Estados Unidos da América, Reino Unido e França. O intervencionismo francês no século XX em países como Síria e Líbano,5 bem como a Guerra do Golfo ou ainda as invasões do Afeganistão e Iraque pelos Estados Unidos da América, estas fracamente justificadas pelo argumento frágil e confuso da “guerra ao terror” no século XXI, são apenas alguns exemplos de políticas danosas e condenadas por nacionais desta região.

Acrescente a estas prejudiciais práticas, discursos de políticos e líderes religiosos ardilosos, com habilidade oratória suficiente para culpar as altas taxas de desemprego, pobreza e falta de oportunidades inteiramente nas intervenções dos ocidentais e em seu “capitalismo canibal”, ao mesmo tempo eximindo-se de sua parcela de responsabilidade pelo alto nível de corrupção governamental, para incitar mais ainda as frustrações desses povos e apresentar, em uma bandeja de prata, o bode expiatório, o alvo ideal para as suas angústias.

Quem não acredita nessa possibilidade, talvez não conheça a história da ascendência do nacionalismo radical e de Hitler no pós-guerra de 1919, no contexto de uma Alemanha economicamente devastada por uma inflação galopante, e socialmente desmoralizada. No caso destes, também se apontou uma resposta simplificada: culpar os judeus.

Manifestações de rejeição ao mundo ocidental não são novidade. De fato, remontam às investidas colonialistas por parte desses países no âmbito do Oriente Médio, África e Ásia dos séculos XIX, e mesmo antes disso. Na fala de Max Fisher:


In August 1857, a century before the United Nations would declare the Israeli state in what had been Palestine, before British and French diplomats would formally carve up the Middle East, before the U.S. would back a coup in Iran, before political Islamism would emerge, and before the U.S. would arm unmanned airplanes to kill Islamism's most violent and radical adherents, the British empire found itself besieged by Muslim protesters.6


O que tornou estes protestos particularmente significativos e surpreendentes foi a presença de vozes, até então, sufocadas pelos governantes e líderes religiosos extremistas: as dos moderados. Participantes envolvidos nos enfrentamentos antiditatoriais de 2011, ainda entusiasmados pelos anseios democráticos que embalaram a chamada Primavera Árabe, tomaram também as ruas para protestar contra a violência de seus conterrâneos e seus ideais extremistas. Muçulmanos ao redor do mundo saíram às ruas para dizer que aqueles manifestantes violentos não representavam a identidade islâmica, e que recebiam os ares democráticos e desenvolvimentistas que estão a oxigenar o mundo islâmico com braços abertos. 

É esta a imagem que se deve reter dos últimos acontecimentos no mundo islâmico: uma comunidade plural, como a nossa, que está caminhando na direção da construção democrática de seus Estados, bem como de uma sociedade inclusiva, o que implica necessariamente o desenvolvimento do respeito às diferenças. Os moderados já deram o primeiro passo.


Thaís Leo Nogueira de Paula

Secretaria Acadêmica da SONU 2012




NOTAS:

1 Segundo o Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, “Muçulmano” ou “Maometano” é aquilo pertencente ou é relativo a Maomé, ou ao maometismo, ou que é sectário desta religião. Já “Árabe” é o natural ou habitante da Arábia, península ao sul da Ásia, entre o Mar Vermelho e o Golfo Pérsico, e que inclui região desértica de diversos Estados. Visto que a maior parte dos muçulmanos vive na Ásia e os Estados árabes contam com um sem-número de habitantes cristãos, acreditamos ser necessário enfatizar tal diferenciação.

2 Causa enorme incômodo utilizar estes termos, visto que se acredita na existência de um só Mundo, coabitado por todos. Todavia, em prol da mais fácil compreensão, recorrer-se-á a esta terminologia devido a seu largo uso.

3 De fato, em um primeiro momento, a agência Associated Press houvera noticiado entrevista telefônica com Sam Bacile, suposto diretor do filme, em que este afirmara ser americano israelita. Posteriormente, apurou-se que o filme havia sido realizado por Nakoula, um copta (cristão) de ascendência egípcia. Porém, mesmo após as autoridades americanas, juntamente com a mídia internacional, desmentirem tais alegações, claramente feitas para atiçar desentendimentos entre muçulmanos e judeus, inúmeros líderes religiosos e ícones extremistas continuaram a defender uma velada atuação israelense. Na agência de notícias estatal iraniana PressTV, jornalistas e comentaristas defendiam teorias da conspiração em que a CIA e Israel haveriam promovido o filme. A notícia errônea sobre a nacionalidade do realizador está disponível em: <http://www.huffingtonpost.com/2012/09/12/sam-bacile-in-hiding_n_1876044.html>. Acesso em: 25/9/2012.

4 Al Jazeera. “Us runs TV ads to calm Pakistan tensions”. Disponível em: <http://www.aljazeera.com/video/asia/2012/09/20129210551107616.html>. Acesso em: 25/6/2012.

5 A França recebeu da Liga das Nações um Mandato oficializando sua “administração” sobre o território libanês e parte da Síria, em 1923. Foi sob a administração francesa que as fronteiras libanesas como as conhecemos hoje tomaram forma. Mais informações em: CHAURASIA, Radhey Shyam. “History of Middle East”. Nova Delhi: Atlantic Publishers & Distributors, 2005. P. 226-230.

6 “Em agosto de 1857, um século antes que as Nações Unidas declarassem o Estado de Israel onde havia sido a Palestina, antes que diplomatas Britânicos e Franceses forjassem o Oriente Médio, antes que os EUA apoiassem um golpe no Irã, antes que o Islamismo político surgisse e antes que os EUA armassem aviões sem pilotos para matar os mais violentos e radicais aderentes do Islamismo, o império Britânico encontrou-se sitiado por manifestantes Muçulmanos” (tradução livre). Disponível em: <http://www.theatlantic.com/international/archive/2012/09/the-history-of-muslim-anti-western-protests-is-older-than-obama-or-bush-drones-or-israel/262462/>. Acesso em: 27/9/2012.



REFERÊNCIAS:

FISCHER, Max. "The History of Muslim Anti-Western Protests Is Older Than Obama Or Bush, Drones or Israel". Disponível em: <http://www.theatlantic.com/international/archive/2012/09/the-history-of-muslim-anti-western-protests-is-older-than-obama-or-bush-drones-or-israel/262462/>. Acesso em 27/9/2012.

LEVINE, Mark. "Why 'They' Still Don't Hate 'Us'". Disponível em: <http://www.aljazeera.com/indepth/opinion/2012/09/201292661444773258.html>. Acesso em 27/9/2012.

BARON, Adam. "Yemen Inflamed". Disponível em: <http://www.thenation.com/node/169971#>. Acesso em 27/9/2012.

FARAH, Paulo Daniel. “O Islã”. São Paulo: Publifolha, 2001. 

Haimzadeh, Patrick. "After de uprisings - Libyan democracy hijacked". Disponível em: <http://mondediplo.com/2012/10/05libya>. Acesso em 01/10/2012.